Alberto Mulas Caballero, criador do blog Muros de absenta

Olá! Bemvindo ou bemvinda a Muros de absenta, um blog pessoal onde me dedico a falar sobre muitas das coisas que gosto nesta vida (e também sobre mim, que não gosto tanto, mas nada menos do que me apresentar depois de tantos anos escrevendo aqui). Até há pouco tempo, como autor de opiniões e críticas de cinema no Cine Maldito ou no Filmfílicos, a apresentação que fazia sempre que era solicitada era a seguinte:

«Na minha autobiografia nunca escrita, escreverei: Há pessoas a quem se pergunta quem são e dizem o que fazem. Eu sou Bartleby, Elisabet Vogler, Rob Gordon, Andrew Largeman, Antonius Block, Um homem que dorme de Georges Perec, Domenico Cantoni, Nicola Carati, Antoine Doinel, Scott Pilgrim… Sobre minha vida pensarei: Com potencial; sem nenhuma projeção. E na minha lápide vão colocar: Nada acontece.».

E sim, o homem da foto sou eu com uma cara intensa, mas normalmente tenho mais tendência para piadas e senso de humor.

Aqui, nesta página, acrescentaria também que se você perguntasse sobre meus gostos, se resumiriam sobretudo em três, que transformariam qualquer pessoa em amante da música, cinéfilo e amante da leitura, mas em modo amateur, sem grande conhecimento ou estudos adquirido com o tempo, além do tempo dedicado a ouvir música, assistir filmes e ler de tudo.

Resumindo, diria de mim que vivo todos os dias na música (não sei o que seria de mim sem ela), fazendo listas musicais para mim e para os utilizadores deste blog, experimento o que não vivo através do cinema, e escondo outras vidas nos livros.

Muros de absenta nasceu com a intenção de falar sobre tudo isto, embora ao longo do tempo me tenha concentrado sobretudo em escrever sobre música (a minha grande paixão, provavelmente também porque requer menos tempo para o fazer e também permite multitarefas, enquanto ouve e descobre os novos sons do momento e os antigos).

Embora eu tenha passado de escrever sobre minhas bandas favoritas a fazer principalmente playlists (do que culpo minha profissão desde 2020), gosto de pensar que escrevo porque gosto e escrevo sobre o que gosto. Pelo menos neste blog.

Se tiver interesse em conhecer o lado um pouco mais crítico, convido-o a conhecer outros textos que escrevi para páginas como Cine maldito, Cinemaadhoc ou Filmfílicos, onde colaborei ou colaboro desde 2012. Também no Letterboxd, onde basicamente mostro todo o cinema que vejo regularmente.

Un puente con vistas, o meu primeiro romance

Comprar novela romántica

Depois de escrever mais de 300 artigos só neste blog, em 2016, talvez pensando em realizar uma daquelas três coisas que dizem antes de completar 30 anos (plantar uma árvore, ter um filho e publicar um livro), ousei dar o passo que para o que me estava preparando (mentalmente) há mais de uma década: publicar um romance.

Foi assim que em 2020 acabei por publicar, depois de mais ou menos um ano entre a escrita e a revisão, Un puente con vistas, autopublicado e portanto disponível em plataformas digitais como Amazon ou Google Books, e ambos em versão digital a R$ 15,95 e em formato físico a partir de R$ 584,80.

Seu argumento é o seguinte:

“No ano de 2008, Paul Newman morreu; em 2009, Michael Jackson fez. Entre os dois eventos, algo muito menos importante estava acontecendo: o Erasmus de Lucas.

Uma Ponte com Vista é a história de um jovem sem iniciativa e um tanto confuso que, por acaso e algum interesse de sua parte, decide que passar um ano no exterior é a melhor coisa que pode fazer com seu tempo.

Desde então, toda vez que Lucas conta o que fará aos parentes, eles quase sempre reagem surpresos. “Conhecendo-te, vais acabar a dormir debaixo de uma ponte”, chegam a prever. Isso diz o suficiente sobre ele.

Sem iniciativa, mas com muita vertigem, nosso protagonista enfrentará o maior desafio em 21 anos de existência: se virar sozinho (em grande medida) e viver sozinho. Em um ambiente onde todos que ele conhece parecem ter fugido e mesmo assim não conseguiram escapar, Lucas tentará a (talvez um pouco) ambiciosa missão de conceber aquele exato momento em que a vida começa.

Porque todos vivemos com medo, a maioria silencia sobre isso, todos sofrem com isso, poucos o dizem, alguns o transcendem.»

Não sabe por onde começar a ler dentro do blog?

Por outro lado, se você está aqui é porque o que realmente lhe interessa é este blog musical. Deixo-lhe alguns links aos meus artigos favoritos.

Alguns ainda estão em desenvolvimento, outros já finalizados. A ideia é continuar pelo menos até o final dos anos 90. Em todo o caso, propus continuar também nas décadas seguintes até aos dias de hoje, embora a partir de 1999 passem a ser listas muito mais pessoais.

Principalmente porque foi então que tomei consciência dos meus gostos e não do que ouvia em casa. Embora este último claramente tenha ajudado a fomentar a atração por determinados gêneros, sem dúvida.

Se você também é fã de fazer listas musicais de tudo, ou adora descobrir músicas novas, sejam do passado ou do presente, aqui você encontrará muitas ideias para suas playlists, algumas delas como alternativas às mais comerciais, mas outras mais semelhante.

Há também filmes e guias, onde incluo comparações sobre plataformas musicais e outros temas que às vezes são completamente alheios ao que o blog oferece em geral.

Espero que goste de tudo que encontrar aqui, desde as anedotas que conto sobre cada artista e suas músicas, até ouvir e ler. Isso, no mínimo, é agradável para você. E se você também gosta de música francesa, talvez goste um pouco mais. Obrigado pela sua visita!

Alberto Mulas Caballero

Mapa de tags do blog

Anos 50 Anos 60 Anos 70 Anos 80 Anos 90 Anos 2000 Anos 2010 Anos 2020 Cantores Canções de entre guerras Cinema asiático Começos de todas as décadas musicais Comparações Disco music Filmes de Don Hertzfeldt Filmes desconhecidos Filmes famosos Grupos musicais Guias Música clássica Música em francês Músicas para cidades Outras Playlists Playlists com 100 músicas para… Pop Rap Rock Séries de televisão Trilhas sonoras