Música de 1951 em português, inglês, espanhol, francês e italiano

Música de 1951

Depois de iniciar a lista em 1950, é o momento de falar da música de 1951 mais notáveis em diferentes línguas. Por exemplo, neste ano, entre as melhores músicas de 1951, destacam-se as melodias e letras de Howlin’ Wolf, Nat King Cole, Antonio Machín, José De Aguilar, Nilla Pizzi, Silvana Mangano e Tomás De Antequera. Uma boa mistura de músicas de vários países, em várias línguas, que oferece uma boa amostra do tipo de música que era ouvida no Ocidente. Talvez a língua francesa seja um pouco ausente, a qual desfrutava de grande predominância e protagonismo durante esta década e, principalmente, nas décadas anteriores, mas que neste ano específico não encontrou seu lugar em nossa lista.

Se você deseja ver desde o início quais foram as músicas dos anos 50 escolhidas entre as nossas 100 favoritas, visite o link. Lá você poderá ouvir e descobrir os temas em espanhol, inglês, francês, italiano e português, principalmente, que foram um sucesso na época, assim como outras faixas menos conhecidas e igualmente memoráveis. Por outro lado, se deseja conhecer quais músicas seguem após este ano, convidamos você a descobrir os seguintes anos no fim deste artigo.

A melhor música de 1951 em inglês

Howlin’ Wolf – Moanin’ At Midnight

Howlin' Wolf - Moanin' At Midnight

Título e artistas nunca se conjugaram tão bem. Howlin’ Wolf é um dos maiores músicos de blues da história, não apenas pioneiro do elétrico e do rock, mas também um artista único com uma presença e personalidade irreplicáveis na música.

Nat King Cole – Unforgettable

Nat King Cole - Unforgettable

Outro grande. O rei nos presenteou em 1951 com uma de suas muitas obras-primas, em uma época em que muitos artistas faziam versões da mesma música, ele as destacava acima da média; basta ouvir suas versões de temas em espanhol, com esse sotaque característico, e ainda assim geralmente muito mais notáveis que outras versões da mesma canção.

A melhor música de 1951 em espanhol (e outras línguas românicas)

Antonio Machín – Tengo Una Debilidad

Antonio Machín - Tengo Una Debilidad

Em 1947, ele já triunfou na Espanha com Angelitos Negros, Dos Gardenias, Toda Una Vida ou Espérame En El Cielo, músicas com as quais Antonio Machín ficou gravado na memória de todos os espanhóis, sempre com suas maracas.

José De Aguilar – María Cristina Me Quiere Gobernar

José De Aguilar - María Cristina Me Quiere Gobernar

O cantor do hino do Real Madrid não passou para a história apenas por isso, embora seu hino seja cantado a cada fim de semana e com sorte alguém cante María Cristina Me Quiere Gobernar em casa. Há alguns anos, uma versão da Vieja Trova Santiaguera dessa música apareceu em um anúncio, e é que essa é outra música com várias versões, e esta versão não é a primeira.

Nilla Pizzi – Grazie Dei Fiori

Nilla Pizzi - Grazie Dei Fiori

Todo mundo gostava das atrizes e cantoras italianas nos anos 50 e 60. Nilla Pizzi foi uma cantora conhecida como a Rainha de San Remo por conta da quantidade de sucessos que conseguiu durante esses anos no festival organizado em San Remo, onde estreou com este tema, e onde o festival também estreou, um marco, portanto, em uma época em que esses festivais eram interessantes e prestigiosos.

Silvana Mangano – Anna (El Negro Zumbón)

Silvana Mangano - Anna (El Negro Zumbón)

Outro exemplo italiano do que foi mencionado na música anterior. Silvana Mangano foi atriz, miss, relacionou-se com os mais renomados da época e participou de alguns dos filmes mais memoráveis do cinema italiano e do neorrealismo, como Arroz Amargo, filme em que ela atuou e onde provou ser uma grande atriz. Anna (El Negro Zumbón) é uma música que aparece no filme Anna, daí essa explicação. De qualquer forma, a imagem pertence ao filme Teorema, de Pier Paolo Pasolini.

Tomás De Antequera – Romance de La Reina Mercedes

Tomás De Antequera - Romance de La Reina Mercedes

Encerramos 1951 com um romance espanhol. Tomás De Antequera, o nome já diz tudo. Um dos reis da copla, embora possivelmente não seja tão lembrado quanto outros de sua geração, esta é uma de suas melhores e mais ouvíveis músicas para um outsider do gênero.

De brinde: